terça-feira, 20 de maio de 2014

Crescer é esquecer



E pensar que hoje mesmo te mandei parar, filha.
Me perdoe!
Eu já cresci.
Eu esqueci.
E assistindo esse vídeo não consigo me perdoar por todas as vezes que pedi que vc parasse,
que vc ficasse quieta, que vc sossegasse.
Quando eu te mandar parar, filha, me mande me mover!!
É parando de brincar que a gente cresce.
Que pena!
Poderíamos crescer e continuar brincando.
Mas vida de adulto muitas vezes não é brincadeira.
Quando eu te dou uma caixa de papelão e vc diz:
- não é caixa, mamãe, isso é um castelo!
A perspectiva infantil é encantadora e é tão bom viver isso ao seu lado.
Tem poesia em seus olhos.
Nos olhos das crianças...
Tão pura e limpa a sua poesia.
Que me arrebata se estou desanimada com alguma coisa.
É que as vezes, a vida tira a poesia da gente.
E você me lembra que existe sorvete e brigadeiro!
E que uma caixa de papelão pode ser um castelo...
Não vejo mais pedra onde existe pedra.
Não tenho o direito de te mandar parar, de cortar as asas da sua imaginação.
Você me devolve a poesia e me mostra todos os dias a criança que fui.
A criança que lá no fundo ainda existe e vem dar um olá...
É nesse momento que perco o pudor e me sento no chão pra brincarmos juntas.
Pequena criança cheia de energia, criatividade...
Que tem urgência em conhecer o mundo que movimenta.
E se existe uma urgência nesse mundo é para a brincadeira.
Não precisa parar de brincar para ser sério, não mesmo!
Como eu posso te pedir para parar?!
Com qual direito?
Por favor, me lembre a não esquecer.
Não pare!
Bob representa a infância que tive. A imaginação infantil voa e encanta!



sexta-feira, 16 de maio de 2014

O gato Ludovico

O marido e eu queríamos dar um pet para a nossa família.
Somos da opinião que crianças e animaizinhos de estimação tem tudo a ver!
Eu tive gato, cachorro, hamster e até um jabuti quando criança. SIM um jabuti. Tive um peixe também.
Mas de todos os animais de estimação, o peixe é o mais apático que existe. haha
É difícil interagir com um peixe. Na verdade ele acaba sendo mesmo parte da decoração da casa.

Quando pensamos no bichinho, claro que o primeiro da lista era o cachorro. Mas sou da opinião que cachorros não devem morar em apartamentos. O cheiro que eles deixam nos apartamentos não me agrada! E eu com duas crianças, não poderia acumular mais uma atividade: a de levar o cãozinho para passear todos os dias. Claro que essa tarefa iria sobrar pra mim.

Foi então que decidimos pelo gatinho. Já tive gatos e eles são super tranquilos, limpos, educados, não fazem barulho e não precisam sair com eles para passear. UFA! O marido abraçou a ideia e me incumbiu da tarefa de encontrar um bichano. 

Resolvemos "desabandonar" um gatinho. Não queríamos comprar um animal já que existe tantos gatinhos precisando de um lar. Foi aí que cheguei na Adote um Gatinho.

Veja como funciona o trabalho dessas pessoas:



Entrei no site http://www.adoteumgatinho.com.br/ e comecei a olhar os gatinhos "disponíveis" para adoção. Foi aí que cheguei ao Ludovico. Ele não tinha esse nome no site, foi batizado aqui em casa como Ludovico. haha

Essa ONG é séria. É exigente! E eles têm toda razão pois resgatam animais na rua ou abandonados em algum lugar, cuidam, vacinam, castram e quando o bichinho está pronto e sadio, disponibilizam para a adoção. Antes da adoção é feita uma vistoria rigorosa no apartamento para ver se o gatinho estará seguro. Meu apartamento é totalmente telado e na janela basculante do banheiro colocamos o limitador de abertura. 

Me apaixonei pelo Ludovico. Ele é sociável, brincalhão e carinhoso. Chegou aqui em casa no dia 14/05/2014, tem 4 meses, é castrado e vacinado. Desde o primeiro dia ele aprendeu onde fica o banheiro dele (caixinha de areia) e tem recebido muito carinho. A recíproca é verdadeira porque temos recebido muito carinho por parte dele também. Ele faz muitos rons rons!!!! 

Ludovico se sentindo o Rei do pedaço. Fomos conquistados!!! 
=^^=

domingo, 11 de maio de 2014

10 meses contando e dia das Mães

Da Cecilia

Hoje é  mesversário da Cecilia! 10 meses! Eu abracei, cherei, apertei. Ela ainda tem cheiro de neném... Eu queria poder guardar esse cheirinho num potinho e de vez em quando matar as saudades que vou sentir. Tenho medo dessa saudade. Será uma saudade diferente e impossível de matar. Por isso tenho medo. Hoje também é dia das mães. Nosso primeiro juntas com Cecilia fora da barriga. Quando Cecilia nasceu, eu já sabia ser mãe, é verdade... Mas cada filho é diferente do outro... Mesmo ela sendo a cara da irmã Clarice. Amo perceber as diferenças entre as duas. Cecilia tem me ensinado a ser mais maleável. Parabéns para nós duas neste dia, mamãe te ama muito, até o céu, ida e volta!

Da Clarice

Mês que vem ela fará 4 anos. Meu Deus... está crescendo! Quase não cabe mais no meu colo. Mas eu a pego assim mesmo. Meu colo sempre caberá minhas filhas, mesmo que elas cheguem a 1,70 de altura. Obrigada por comemorarmos juntas mais um dia das mães, filha. Foi com vc que aprendi, aos trancos e barrancos a ser mãe. Eu juro que todos os dias tento ser a melhor mãe que posso ser pra você e Cecilia. Obrigada por ceder o colo tantas vezes para a sua irmã, Clarice. Eu te amo com um amor sem medida, que não se consegue explicar com palavras.


Feliz Dia das Mães para todas nós!

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Sejam!!!

Como é bom e confortável não saber o que acontecerá amanhã. Se de outro modo fosse, talvez eu não conseguiria dormir essa noite.
Conversei hoje com uma mãe aflita. Ela estava insatisfeita com o curso que o filho escolheu pra a faculdade. Estava insatisfeita, triste e pessimista quanto ao futuro financeiro e promissor do filho.
Essa não é uma preocupação qualquer. Isso pode sim nos tirar o sono.

Meu marido sempre brinca que sonha em ver Clarice e Cecilia tocando violino, piano... e ele diz que os filhos geralmente fazem o contrário daquilo que sonhamos. E na brincadeira ele diz: só me falta elas me aparecerem aqui em casa tocando um pandeiro ou um cavaquinho. O que não é nada impossível!

Como já disse antes neste post, não sei o que minhas filhas serão.
Diante daquela mãe aflita, eu me coloquei no lugar dela. E pensei como nós pais as vezes somos prepotentes. Muitas vezes caímos no erro e projetamos o que não conseguimos ser naquele ou naquela que "achamos" ser nossa propriedade. Essa mãe caiu do cavalo. Filhos não nos pertencem. A decisão ou indecisão deles não é nossa.

Por isso, mesmo que por um impulso, antes que eu faça igual, antes do meu tombo do cavalo, vim aqui dizer pra vcs, filhas:


- Sejam o que quiser.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...